Filhas procuram por mãe que desapareceu após entrar em ônibus em Niquelândia

Por Lis Lopes, G1 GO

As filhas Adriely Pereira de Oliveira, de 30 anos, e Natalia Pereira de Abreu, de 24, estão desesperadas em busca da mãe, que está desaparecida desde o dia 8 de julho. Maria do Perpétuo Socorro Pereira de Abreu, de 47 anos, foi vista pela última vez entrando em um ônibus na rodoviária de Niquelândia, onde mora com a filha mais nova, com destino a Taguatinga, no Distrito Federal. No entanto, de acordo com imagens das câmeras de segurança da rodoviária de Taguatinga, Maria do Socorro não desembarcou no destino.

Segundo Adriely, a mãe saiu de casa sem levar bolsa nem celular, somente com a roupa do corpo, documento de identidade e cartão de crédito.

“Ela saiu com uma bermuda verde, uma blusa florida, de havaianas e uma sacola de mercado. Ela não avisou nada para a minha irmã que iria sair ou viajar. Só depois que percebemos que ela estava demorando a voltar, que pensamos que algo pudesse estar errado”, contou Adriely.

Maria do Socorro possui distonia crônica, uma doença que provoca espasmos musculares involuntários. De acordo com Adriely, a mãe também sofre com transtorno bipolar e depressivo e, por conta das doenças, toma remédios controlados.

Desde o dia do desaparecimento da mãe, Adriely e Natalia estão monitorando a conta bancária dela, na tentativa de descobrir alguma pista sobre onde ela pode estar. No entanto, Maria do Socorro não fez, segundo as filhas, nenhuma movimentação bancária ou compra no cartão.

De acordo com Adriely, ela e os familiares já procuraram por Maria do Socorro em diversos hospitais, tanto de Niquelândia, quanto de Taguatinga e cidades vizinhas. Elas também já fizeram buscas por Institutos Médicos Legais (IMLs) e rodoviárias da região. As filhas temem que ela esteja perdida e sem conseguir entrar em contato.

“Ela costuma ser uma pessoa lúcida, mas a gente não sabe em que condições ela saiu de casa nesse dia. Penso que ela tenha sofrido um surto. Talvez já tenha até perdido o cartão, porque nem bolsa ela levou”, comentou Adriely.

Adriely disse que a família já registrou um boletim de ocorrência em Goiânia e Brasília, mas, até o momento, não conseguiu nenhuma pista sobre a localização de Maria do Socorro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *